O Uruguai é o segundo menor país da América do Sul. Apesar dessa característica física, sua produção vinícola é bastante respeitável: a nação que conserva o guarani como uma de suas línguas oficiais é simplesmente o quarto maior polo produtor de vinhos do continente.
Atualmente os vinhos uruguaios são muito apreciados ao redor do mundo. A tannat, casta originária do sul da França, é a principal uva da indústria vinícola do Uruguai. Sua ótima adaptação ao solo e clima da região, fez com que ela fosse e ainda hoje seja a responsável por dar as melhores bebidas aos amantes do vinho no país.
O Uruguai era originalmente povoado pelos índios Charruas, mas em 1680 os portugueses começaram a se assentar na região; os espanhóis chegaram logo em seguida. O país, como o conhecemos hoje, passou a existir com a declaração de independência em 1828, quando se estabeleceu como República, após vários anos de guerras sangrentas que envolveram Espanha, Portugal, Argentina e o Brasil.
Já nessa época, por influência dos europeus, havia o cultivo de uvas na região, demonstrando que a história da vitivinicultura no Uruguai se confunde com a própria história do país. As primeiras uvas viníferas foram cultivadas em território uruguaio há mais de 250 anos. A produção de vinhos, entretanto, só começou a ser realizada comercialmente na segunda metade do século XIX.
Em 1870, Dom Pascal Harriague introduziu ao Uruguai várias castas de uva em busca de uma que se adaptasse bem ao solo e clima da região. A tannat foi a que se saiu melhor na experiência e desde então, por causa do seu sucesso imediato e duradouro no país, ela dá vida ao autêntico vinho uruguaio.
Na década de 1970, houve uma renovação na vitivinicultura do Uruguai; novas técnicas de plantio e cultivo, bem como a introdução de novas variedade de uvas, possibilitaram um desenvolvimento substancial à sua indústria de vinhos. Aliado a tudo isso, a evolução dos vinhos uruguaios aconteceu por causa da paixão dos produtores e apreciadores de lá pela bebida. A maneira artesanal e a relação respeitosa que eles têm com as uvas que cultivam tornaram seus vinhos premiados e bastante reconhecidos no mercado internacional.